© 2018 René Calvin

MUSIC

The album “Brasil Pra Mim” is a genius, almost divine piece of art. The right composition, the right melody, the right harmony, the right improvisation, the right note inside the perfect chord, and asmooth mesmerizing voice. After you have listened to one song, a break stands out as if you come back from an astral journey. Brasil Pra Mim opens the doors to unknown territory, like Krishnamurti wrote: “Freedom from the known”. A real revolution.
O álbum Brasil Pra Mim de René Calvin tem as características de uma obra perfeita.

Agente sente a graça divina. A composição justa, justa melodia, apenas harmonia,

improvisação justa a nota certa, a voz tranquila e envolvente. O gênial alia-se ao

essencial neste álbum. Depois de escutar cada faixa, um tempo de pausa é

necessário, como se retornassemos de viagem astral. O álbum Brasil Pra Mim abra

o espirito, ele nós faz crescer, ele abre as portas para o desconhecido, afim como

escreve Krishnamurti, se liberar.

Do conhecido ... Uma verdadeira revolução!

The Brasil Pra Mim album is a true masterpiece. Not only is it of great musical maturity but also a

remarkable reflection of what defines René Calvin, which can be summed up in one word:  subtle.

René Calvin is a free artist, altruistic, sensitive to beauty, with a hint of fantasy.  Brasil Pra Mim is a

complete work with a wide but balanced array of musical styles, infused with a large dose of afro-

Brazilian vibes, a subtle reminder of René's intrinsic roots. With more than a touch of finesse, Brazil

Pra Mim diffuses a powerful groove.  The album is a prestigious and exciting combination of sounds

defying all barriers which offers us a multitude of horizons, hitherto unexplored,  so that we find

ourselves both within and without,  all in one piece or in several , somewhere between reality and

fantasy …

Listening to Brasil Pra Mim is a gift in itself: it transports you  on a wonderful journey, awakens your

senses and transcends into a revelation of your own "self";. René Calvin picked the "crème de la crème";

of Belgian jazz musicians:  Wout Gooris at the piano, Joppe Bestevaar on the saxophone and

percussionist Toni  Vitacolonna, all members of the Brussels International Jazz Orchestra, not

forgetting  special guest and friend, the famous Hungarian violinist,  Roby Lakatos.

Brasil pra Mim is an ingenious album... an infusion  of sound and melody with just the right balance -

one could even say that there is a hint of "less is more"; in its making which projects the listener into an

unspoken yet perceptible continuity, personal to each one.

 

René Calvin discovered his Brazilian roots late in life. They came as no surprise to him given that his

inherent passion for Bahian music has been in his genes since childhood. This album pays homage to

René's Brazilian FATHER!!! who unknowingly transferred his musical roots to his son, roots

 which have had an enormous influence on René's passion for Brazilian music. 

René Calvin expresses his love for Brazil in soft ecclesiastic tones, bathed in the rythms of classical

music,  jazz rock, jazz fusion, latin jazz, afro beat and many other styles.

Brasil Pra Mim also reflects René Calvin's creative side.  His outstanding blues compositions, one

dedicated to the amazing Dee Dee Bridgewater,  the other a heartfelt homage to  Paco de Lucia -

 whom René knew only for a short time -  are both testament to René's immense artistic talents and

sensitivity.  Last but by no means least, a tribute to the one and only Richard Bona, alias "The Boss",

whom René considers to be one of the very finest bassists and vocalists from Cameroun.

René Calvin welcomes you into his universe, making you feel at home and invites you to continue his

work, in your own time and to your own taste because it belongs to you.  Isn't that what sharing is all

about?

 

Our heartfelt thanks to the artist, altruist and illusionist.

O álbum Brasil Pra Mim é uma verdadeira obra de arte. É também de uma grande maturidade

musical. Nele podemos reconhecer tudo o que caracteriza René Calvin e que resumimos numa só

palavra : subtileza. René Calvin é altruísta, fiel à beleza, à fantasia, é um artista livre. Brasil Pra Mim é

uma obra completa, onde constam quase todos os estilos musicais e sobretudo as raízes afro-

brasileiras de René Calvin, doseadas com sabedoria e generosidade. A delicadeza de Brasil Pra Mim

contracena com um poderoso groove. De um salto poderoso e elegante Brasil Pra Mim quebra todas

as barreiras, oferecendo de uma maneira intima horizontes ainda não explorados onde estamos

simultaneamente dentro e fora, onde somos unos e múltiplos, terra a terra e sonhadores… Ouvir

Brasil Pra Mim é uma celebração pessoal, que nos acorda, nos faz viajar, nos revela quem somos,

Brasil Pra Mim somos nós. René Calvin fez-se acompanhar dos melhores músicos de Jazz belgas.

Wout Gooris no piano, Joppe Bestevaar no saxofone e Toni Vitacolonna na bateria – todos membros

da International Brussels Orchestra – e também Roby Lakatos, famoso violinista Húngaro, como

guest na faixa bónus do álbum.

Brasil Pra Mim é o álbum da sagacidade, encontramos tudo na proporção certa podendo até dizer

que com uma ligeira tendência ao «um pouco pouco», projetando assim o ouvinte numa

continuidade discreta mas percetível de maneira individual.

René Calvin homenageia pessoalmente o seu genitor nativo de Baía no Brasil. Cultura descoberta de

maneira tardia mas da qual os genes fervilharam desde a mais tenra infância, exprimindo esse fervor

baiano. O Brasil do seu coração exprime-se aqui com uma suavidade quase eclesiástica – sem

tambores e sem fanfarras – mas bem enraizado nos ritmos por vezes de música clássica, outras vezes

de jazz rock, jazz fusion, latin jazz, afro beat e tantos mais…

Brasil Pra Mim revela também as afinidades artísticas de René Calvin. Com um blues surpreendente e

indizível, o músico homenageia a cantora americana Dee Dee Bridgewater, artista que afeiçoa

particularmente. A composição dedicada ao mestre Paco de Lucia com uma melodia cheia de ternura

mas sobretudo de tristeza. Os dois músicos mal se conheceram. Por fim, um piscar de olhos àquele

que ele apelidou o Patrão - o seu exemplo a seguir – Richard Bona, famoso baixista e cantor dos

Camarões.

René Calvin abre-nos a porta do seu universo, e nós podemos apropriá-lo como nosso, continuando a

sua obra como entendemos dependendo da nossa sensibilidade musical, instalados no seu universo

como se fosse nosso. Não é isto mesmo que define a partilha?

Obrigado ao artista, obrigado ao altruísta, obrigado ao ilusionista.